18/03/2017 às 07h14min - Atualizada em 18/03/2017 às 07h14min

Veja os medalhistas que perderam o patrocínio após ciclo olímpico

Alguns atletas olímpicos brasileiros estão sem recursos

NOTÍCIAS AO MINUTO
Emily Pereira - TV Sertão da Paraíba

Sete meses após o fim do ciclo olímpico, muitos atletas sofrem com o abandono dos patrocinadores e lutam para seguir no esporte.

O canoísta Isaquias Queiroz fez história durante a Olimpíada do Rio ao se tornar o primeiro brasileiro a subir ao pódio três vezes em uma mesma edição dos Jogos. No entanto, após os Jogos do Rio, apenas um de seus patrocinadores particulares permaneceu, com contrato válido até maio.

Wu é apenas um dos muitos atletas olímpicos que são abandonados após o término das Olimpíadas.

Confira alguns dos medalhistas olímpicos do Brasil sem recursos

ISAQUIAS QUEIROZ

Atleta do Club Athletico Paulistano, de São Paulo, Isaquias conquistou três medalhas nos Jogos Olímpicos de 2016, em sua primeira participação em Olimpíada: prata na canoa individual 1.000 m, bronze na canoa individual 200 m e prata na canoa de dupla 1.000 m, junto com Erlon de Sousa Silva. Após os Jogos, apenas um de seus patrocinadores particulares permaneceu, com contrato válido até maio.

ARTHUR ZANETTI

O ginasta de São Caetano do Sul tornou-se campeão olímpico em Londres, em 2012. No ano seguinte, foi campeão mundial nas argolas e, em 2015, campeão pan-americano. Na Olimpíada do Rio ele ficou com a prata, na mesma modalidade. Dos seis patrocínios que tinha, porém, ficou apenas com Aeronáutica e Adidas.

POLIANA OKIMOTO

A paulistana foi a primeira nadadora brasileira a conquistar uma medalha de modalidade aquática em Jogos Olímpicos. Ela levou o bronze na maratona do Rio, após desclassificação da segunda colocada, a francesa Aurélie Muller (por infração na batida da placa de chegada). Após a Olimpíada, perdeu seu principal patrocínio, os Correios, o que reduziu 40% de seu orçamento.

ROBSON CONCEIÇÃO

Pugilista foi ouro da categoria peso-leve (até 60 kg) em 2016, após ter sido derrotado na estreia das duas edições anteriores dos Jogos (Pequim e Londres). Com a vitória, trocou o boxe amador, que compete em Olimpíada, pelo profissional. Sem patrocínio, ganha uma renda mensal da agência Top Rank.

FELIPE WU

Prata no tiro esportivo, Wu voltou à faculdade de engenharia aeroespacial após a Olimpíada do Rio. Ele foi ouro nos Jogos Sul-Americanos de 2014, em Santiago, e no Pan de Toronto, em 2015. Ficou sem treinador, psicólogo e fisioterapeuta por corte de verbas da confederação.

Link
Tags »
Veja medalhistas perderam patrocínio ciclo olímpico
Notícias Relacionadas »
Comentários »
...

Você votaria no deputado ou senador que disser SIM a Pec da Previdência?

31.5%
40.3%
6.2%
22.0%